Especificação e Garantia

Venho, nos últimos tempos, observando um movimento interessante e preocupante por parte de vários clientes: a imposição da especificação acompanhada da exigência da garantia.

Este movimento é comum no mundo dos Revestimentos de Alto Desempenho quando clientes especificam um determinado revestimento com espessura, textura, resina etc. e exigem vários anos de garantia.

Tal movimento não se restringe a este ramo, pois os executores de piso de concreto sofrem o mesmo problema quando o cliente define espessura, o concreto, a armadura e exige que o piso não fissure…

Interessante, pois me parece que os clientes estão sabendo mais de piso e revestimento do que nós fabricantes/prestadores de serviço. O movimento é similar a ir ao médico, especificar o tratamento e exigir do mesmo que se fique curado em um determinado tempo, o que não faz o menor sentido. Ou nós especificamos e damos a garantia, ou não especificamos e também não garantimos; e, neste caso, é melhor nem fazer o serviço.

Observando este movimento eu me pergunto: por que isto está acontecendo? A resposta não é simples, mas servirá para refletir e adotar uma postura mais profissional.

Seria este movimento fruto da mania brasileira de auto medicação? Ou seria a ideia de que uma solução de sucesso vale para todas as situações? Pode ser também a falta de credibilidade que os clientes têm nos vendedores, que muitas vezes prometem muito mais do que o “produto” pode atender. Seria a falta de conhecimento dos clientes? Ou seria o seu excesso de conhecimento?

Na minha percepção, faltam muitas coisas, dentre elas uma justiça mais ágil que puniria os maus especificadores e executores, o que ajudaria muito a limpar o mercado e dar credibilidade aos fabricantes sérios. Falta também disseminar mais conhecimento e esclarecer clientes, especificadores e projetistas. Neste sentido, a ANAPRE vem desenvolvendo valiosas iniciativas com o lançamento dos textos de recomendação 1, 2 e 3 elaborados pelo Comitê Técnico de RAD, o texto de especificação de fibras sintéticas do Comitê Técnico de Concreto Reforçado com Fibras, os Boletins Técnicos emitidos mensalmente, as palestras intinerantes e, por fim, o nosso seminário anual na Concrete Show.

Aceitar uma especificação acompanhada de uma exigência de garantia é, no mínimo, uma atitude anti-profissional, uma postura meramente comercial sem foco nos resultados e que só alimenta ainda mais o descrédito e o ciclo vicioso.

Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne
Vice-presidente da ANAPRE
Diretor Executivo da Solepoxy